Cultura do Vinho

A Cultura do Vinho 5

23 de julho de 2012

O Novo Mundo está bem representado na Hess Colection!

Amigos leitores e enófilos de plantão, retornando ao capítulo das degustações que realizei em Bordeaux, França, por ocasião da VINEXPO 2011, quero compartilhar com vocês a impressão que deixou esta linha elaborada nos EUA e que pertence ao empresário suíço Donald Hess. Este senhor já é proprietário da vinícola argentina, da região de Salta, a Bodegas Colomé, e além destas duas ainda possui na África do Sul a Glen Carlou e na Austrália a Peter Lehman. Estas duas últimas estavam no seu stand em Bordeaux e as degustei no mesmo dia da Hess Colection, serão assuntos das próximas colunas.

Iniciamos a degustação com um vinho bem expressivo elaborado com a uva Pinot Noir, o Sequana Pinot Noir 2009, da região americana chamada Russian River Valley. De coloração mais escura que o normal para um Pinot Noir, ele mostrava aromas intensos  de frutas como amoras e cerejas silvestres e um volume de boca espetacular, sempre em belíssima harmonia com a elegância e a complexidade, vinho para encantar os amantes desta casta. 

Logo após passamos ao Allomi Cabernet Sauvignon 2008, do Napa Valley, que a enóloga fez questão de mostrar antes que os demais visando não interferir no seu juízo. A sensação é de um vinho elegante e típico dos bons vinhos americanos com esta cepa. Passo seguinte foi o Cabernet Sauvignon Mount Veeder 2007, região da Califórnia onde Donald Hess iniciou seu projeto de vinícola americano no Napa Valley(Foto), e isto a faz sua região preferida. Este sim um vinho expressivo e apesar de sua juventude e os 14,5% de  graduação alcoólica, é um vinho de aromas mais amplos e complexos que o anterior.

E o último vinho acabou sendo uma boa surpresa pelo seu corte de uvas, um verdadeiro passeio pela França, de Bordeaux ao Rhône. Ele possui 74% de Cabernet Sauvignon, 10% de Syrah, 9% de Malbec, 5% de Merlot, 1% de Cabernet Franc  e 1% de Petit Verdot. Seu nome, Cabernet Sauvignon Mount Veeder Block Cuvée 2005. Arrebata o degustador, mesmo que seus aromas sejam mais fechados no início. Os vinhedos estão no topo da montanha, isto leva ao vinho ser menos exuberante em aromas de frutas e expressar melhor a mineralidade do solo. Boca quente e com potencial excepcional para evolução em garrafa.

No final, um vinho bem leve, muito apropriado ao paladar feminino, chamado de Moscato Princess, vinho festivo elaborado com a uva Moscato. Lembra um Moscato D’Asti, vinho italiano da região do Piemonte. Este vinho agradável e muito frutado vai bem acompanhando uma torta de frutas, que alias é a especialidade da Califórnia, região onde se destaca  esse estilo de gastronomia.

tony@enotecadecanterbc.com.br