Cultura do Vinho

Você sabia que a Croácia e a Eslovênia produzem bons vinhos?

23 de julho de 2012

Prezados leitores enófilos, somos todos os dias surpreendidos com notícias deste tipo no setor de produção de vinhos, ou seja, no setor da vitivinicultura mundial. Ultimamente o leste da Europa esta  atraindo as atenções não só por suas belezas naturais, pois possui um litoral onde o turismo de luxo já escolheu como passagem obrigatória para seus iates, mas também chama  a atenção agora com os vinhos. Olhando suas paisagens nestas encostas, entendemos o potencial que eles encontraram.

Estas novidades se tornam constatações quando normalmente aparecem nos mercados mais competitivos do mundo. No caso, estou falando do mercado londrino de vinhos, no Reino Unido. Talvez este seja o mercado mais competitivo do mundo para vinhos, e se alguma região nova chama a atenção ali, devemos olhar com mais atenção para estes vinhos. Aqui é mais um destes casos. O mercado pode estar ávido por novidades, mas elas só emplacam se possuem qualidades para merecer destaque no longo prazo.

Os vinhos produzidos na Croácia, e cito como grande exemplo o produtor Korta Katarina, são influenciados por um clima tipicamente de padrão mediterrâneo, os solos são argilo-calcários  e seus vinhedos estão ao sul da Dalmácia. O que surpreende é que este é um país que já possui sua classificação legal para vinhos. Este produtor, por exemplo, tem seus vinhos na classificação Vrhunsko Vino, ou seja, Vinhos de Qualidade Superior. Suas uvas são autóctones, típicas do local, e a branca Posip plantada na ilha de Kórcula e a tinta Plavac Mali são as mais importantes.

Já na Eslovênia, devido a sua proximidade com a Itália, a influência da região do Collio italiano se faz sentir nas uvas utilizadas. O exemplo que cito é Marjan Simcic, produtor estrela deste país. Possui vinhedos tanto no Collio Goriziano, na Eslovênia (Foto), como parte no Collio italiano. O clima é de padrão continental, com verões quentes e invernos rigorosos e secos. Na região da Primorska há uma influência mediterrânea maior. Os solos são de pura marga, uma mistura de calcário e argila que esfarela. Uvas brancas mais utilizadas são Ribolla, Pinot Grigrio e Sauvignonasse. Já as tintas são as internacionais oriundas de Bordeaux como a Merlot e a Cabernet Sauvignon.  

Bem, prezados leitores, só nos resta degustar estes vinhos que estão chegando ao Brasil e fazer nosso juízo quanto a suas qualidades, quanto a sua relação preço-prazer, algo que o consumidor sempre deverá levar em conta para otimizar seu investimento e seu prazer nos vinhos.